Entre em contato:

Entre em contato:
e-mail: flavio@amputadosvencedores.com.br

telefones: (43) 3338-1791 e 9997-6275

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Amputações e lesões graves nas pernas lideram indenizações em acidente de trânsito

Homens são 76% das vítimas dos acidentes. Além de amputações, são comuns vítimas de acidente de trânsito ficarem paraplégicos ou tetraplégicos. Há até casos de cegueira.

Ao lado da esposa Olinda e da família, Alexandre se recupera do acidente que resultou na amputação da perna direita.

Alexandre Correia da Silveira faz parte de uma amarga estatística. Em 2013 o Seguro DPVAT pagou no país 444,2 mil indenizações por invalidez permanente por conta de acidentes de trânsito.

Zeferino, bombeiro há 28 anos, conta que foi o atendimento mais difícil de toda a carreira. Tudo ia contra Silveira. O caminhão estava inclinado, com toda a carga pressionando a cabine retorcida que estava semienterrada. O motorista, preso ao emaranhado de aço que insistia em manter-se rijo. Ao alto, uma rede de energia elétrica complicava o trabalho de guindastes e guinchos que tentaram levantar a carroceria para soltar a cabine. 



A maior parte paga a homens (76%) e motoristas (60%). Do total de indenizados (independente do sexo, contando motoristas, pedestres e passageiros) 25,4% sofreram amputações de uma ou das duas pernas. Se fez parte de uma estatística que cresceu 26% entre 2012 e 2013,

Estar com a prótese e andando em menos de um ano após a amputação é para poucos. Na faixa de idade de Alexandre, pelo tipo de amputação e ainda com o agravante da perna mantida ter ficado muito fragilizada, a expectativa era de que ele voltasse a caminhar só no ano que vem, explica Agenor Teixeira de Souza Junior, proprietário do Centro de Excelência em Reabilitação.

A fisioterapia com cuidado especial no fortalecimento muscular foi importante. Fundamental foi a força de vontade, que vem sendo remédio essencial desde o dia do acidente, quando Alexandre ficou acordado nas seis horas em ficou preso às ferragens.

A maioria das pessoas que chega à clínica com amputação tem vergonha, baixa autoestima. Mas depois, tendo contato com quem se recuperou, elas veem que poderão ter uma vida 99% normal e a visão sobre a prótese muda completamente, explica Junior.

Apesar das campanhas, o número de pessoas com sequelas por conta de acidente cresce a cada dia, acredita Maria Helena Mabba, presidente da Associação Blumenauense de Deficientes Físicos (Abludef). Dos 1,8 mil associados à entidade, cerca de 60% têm alguma deficiência consequência de acidentes de trânsito.

Todo mundo tem que ser responsável para que se tenha paz no trânsito. Do pedestre ao motorista. Depois de um acidente grave como esse (de Alexandre), pode levar muito tempo para a pessoa retomar a vida. Outros nem retomam, entram em depressão — conta Maria Helena.

fonte: JORNAL DE SANTA CATARINA